NA NA NA NA NA

Esse texto não é uma retrospectiva de 2014. Mentira, é sim. Mas, prometo que, apesar de toda probabilidade, não vou te cansar. Até porque, se você faz parte dos meus 14 leitores do mundo inteiro, e lê os meus textos até hoje, é porque, além de acreditar em Papai Noel, me acha irresistível.

Então que hoje, conversando com meu pai, após várias reflexões, ele me alertou sobre uma supersticiosa falta de sorte cármica. Não se verbaliza um desejo. Dizem que dá azar. Por isso relutava em me dizer algo que desejava que desse certo para mim. Não contou para ninguém, receoso, para proteger o que lhe era valioso. Daí que, pela primeira vez na vida, como se não acreditasse em desatinos, respondi: tem problema não, pai…o vento tem andado a meu favor… pode me contar.

Inédito. E incrível.

Sempre julguei meus anos como uma sucessão de caos, misturados com uma terrível sensação de que o universo era uma piada. Aliás, a piada era eu. Não, não! Não se trata de um drama existencial. Não desta vez. Apenas perdi a identidade. Fiquei perdida no meio do furacão. Consequentemente, parei de escrever, e com a mais sincera resistência, confesso que desaprendi. Minha escrita não amadureceu comigo, meu vocabulário não renovou e tudo parecia um filme repetido, assistido e escrito tantas vezes. Acho que infeliz nunca fui, mas esse filme estranho, que me recuso a reescrever, já estava cansativo.

Que fique claro que meus verbos no passado não mudaram o filme, mas tenho a impressão de que deixei o filme no mudo, e por uma falta de opção física ou emocional, liguei o rádio. No meio de tanta teoria, quem sabe se quem canta os males espanta?

Tenho o hábito de usar fones no ouvido para distrair os pensamentos e ignorar o que não quero ouvir, como pessoas desconhecidas que puxam assunto ou as conhecidas que puxam também. E esse hábito me serve como analogia para um suposto fone de ouvido que o universo me deu, provavelmente no Natal passado, porque em 2014 fiz tanta coisa legal, cumpri tantas promessas que me fiz! Aliás, se você nunca cumpriu uma promessa que se fez, por favor, experimenta! Me dei um monte de presentes. No Dia das Mães o presente foi da minha filha. Cantei as músicas mais lindas do planeta, num coro apaixonado, regido pelo Paul McCartney. Não tive medo do “não”. Me acabei com vários “sim”. Só não consegui começar a dieta segunda-feira, porque, né? Comer é bom pra c*ralho.

Talvez o cosmo tenha me perdoado, porque finalmente eu admiti que sou/estou perdida. Ou um caso perdido? De qualquer forma, me perdi e decidi que vou ficar por aqui mesmo. Poetas dizem que a gente não pode se conformar, mas eu não sou poeta, e o mundo, pra mim, sempre foi uma bagunça. Então, me dou ao luxo de me conformar, e ficar. Eu sou essa pessoa que você conhece e reclama. Aliás, céus, como reclamam! Bem que tentei mudar, mas não deu certo. Chegou a hora de você também se conformar. Daqui eu não saio mais.

Não tenho planos para 2015, mas já tenho algumas ideias. Meu pai não me aconselharia verbalizar desejos, e eu não me atreveria contrariar tal sabedoria milenar, mas já que o vento tem sido meu amigo, arrisco desejar um 2015 cheio de NA NA NA NA NA pra mim. E pra você.

Hey, Jude, don’t make it bad
Take a sad song and make it better
Remember to let her under your skin
Then you’ll begin to make it better.

Paul McCartney

101 coisas em 1001 dias

Eu gosto muito das ideias da frozinha Biessa, e achei muito legal fazer uma listinha de metas. Tudo bem que deu um trabalho danado pra fazer. Tudo bem que essas “listinhas de ano novo” são todas promessas que gostaríamos de cumprir, mas nunca será. BUT, é tanta coisa possível e importante, que mesmo que não se cumpra tudo, vai valer a pena tudo o que der certo. Então, vamulá:

101 coisas em 1001 dias
Início: 07/01/2014
Término: 03/10/2016

Status:
– itens realizados
– itens em andamento
– itens não realizados/desistência/mudei de ideia

Família/casa
1.       Faxineira 1x por semana.
2.       Castrar Lisa. (minha gatinha)
3.       Não deixar livros/folhas de prova/trabalhos acumulados espalhados pela mesa da sala.
4.       Cozinhar para os amigos.
5.       Jantar com os primos, pelo menos, 2x por ano.
6.       Comprar um sofá confortável.
7.       Mudar para um apartamento.
8.       Comprar uma cama nova pra Marina.
9.       Comprar uma cama nova pra mim.
10.   Comprar uma Apple TV.
11.   Trocar meu Iphone por um modelo mais novo.
12.   Comprar uma luminária style para colocar ao lado da minha cama.
13.   Encher a parede do meu quarto com fotos.
14.   Comprar mais prateleiras, inclusive para o box.
15.   Comprar um computador para Marina.
16.   Tentar convencer Marina que o quarto dela é mais legal que o meu.
17.   Tentar convencer Marina que a cama dela é melhor que a minha.
18.   Comprar uma escrivaninha para Marina.

Saúde/beleza
19.   Manter o cabelo curto. SIM!
20.   Emagrecer, pelo menos, 5 kg. (Engordei 20 kg quando engravidei. Perdi 10 depois q minha filha nasceu. Se eu conseguir perder 5, ficarei feliz da vida! Tento, preguiçosamente, há quase 7 anos)
21.   Parar de procurar o dentista só em caso de emergência.
22.   Ter uma alimentação mais saudável.
23.   Praticar alguma atividade física que não envolva puxar/levantar pesos.
24.   Fazer uma tatuagem no pé.
25.   Ir mais vezes à praia.
26.   Comprar mais acessórios “moda praia”.
27.   Investir mais em maquiagem.
28.   Parar com a preguiça de me maquiar.
29.   Ter o hábito de levar batom na bolsa.
30.   Parar de fazer sobrancelhas em casa.
31.   Voltar ao oftalmologista.
32.   Fazer óculos novos.
33.   Comprar cremes anti-age, principalmente para área dos olhos.
34.   Tomar mais sucos.
35. Tomar menos Coca-cola
36.   Procurar algo (médico/dieta/atividade física) que ACABE com minha dor na coluna.
37.   Parar com a preguiça de fazer saladas.
38.   Comer menos frituras.
39.   Voltar a fazer terapia.
40.   Pagar um plano de saúde pra mim.
41.   Apaixonar-se.
42.   Beber mais água.
43.   Não acordar tarde, mesmo nas férias/feriados.

Vida intelectual
44.   Fazer uma pós.
45.   Assistir a mais filmes “estrangeiros”.
46.   Ler, pelo menos, um livro por mês.
47.   Conseguir criar um grupo de leitura. Com direito a cafezinho à tarde.
48.   Criar uma oficina de escritores com meus alunos.
49.   Escrever, pelo menos, 1 vez por mês no meu blog pessoal.

Organização
50.   Organizar as fotos de Marina, desde que eu estava grávida.
51.   Revelar todas as fotos organizadas.
52.   Criar um álbum com tais fotos.
53.   Comprar algum “porta sabão em pó”, porque a caixa de papel fica molenga.
54.   Comprar um pote grande para guardar ração de gato.
55.   Preciso de alguma coisa também para guardar temperos!

Dinheiro
56.   Encontrar um lugar pra morar onde a relação custoXbenefício seja perfeita.
57.   Poupar dinheiro mensalmente.
58.   Dar prioridade ao necessário.
59.   Diminuir com o delivery.
60.   ECOMONIZAR LUZ!
61.   Cancelar 90% dos e-mails cheios de promoções imperdíveis.
62.   Parar com essa mania de achar que preciso de TUDO ao mesmo tempo agora.
63.   Voltar a juntar moedas no cofrinho

Lazer/viagens
64.   Levar minha filha pra andar de avião.
65.   Conhecer Foz do Iguaçu.
66.   Ir pra SP para levar Marina ao show do One Direction, aproveitar e conhecer azamiga tudo.
67.   Comer num restaurante delicioso, ir a um centro cultural e ir pra night paulista. Tudo em um dia só!
68.   Fazer uma trilha nível LEVÍSSIMO.
69.   Tirar passaporte. (meu e de Marina)
70.   Providenciar a carteira de identidade de Marina.
71.   Fazer uma viagem internacional com Marina. (Qualquer uma)
72.  Conhecer Ilha Grande.
73.   Ir ao Cristo Redendor.
74.   Conhecer Curitiba NO INVERNO.
75.   Levar Marina para conhecer a neve!
76.   Levar Marina para nadar com peixinhos!
77.   Aproveitar feriados para fazer absolutamente nada.
78.   Ir ao cinema que não seja para assistir a filmes infantis.
79.   Não desistir de assistir aos episódios de Modern family, porque ADORO, mas esqueço.
80.   Conhecer o MAR (Museu de Arte do Rio).
81.   Ir ao teatro. Acho que não vou há uns 10 anos.
82.   Tomar banho de cachoeira.
83.  Ir ali em Paquetá.

Diversos
84.   Escrever outro livro.
85.   Ter mais vasos de flores em casa.
86.   Comprar um abridor de vinhos.
87.   Experimentar mais vinhos.
88.   Experimentar comida japonesa. (uma que dê certo)
89.   Experimentar segredo 1.
90.   Praticar mais segredo 2.
91.   Segredo 3 sempre!
92.   Caso faça uma trilha, comprar um tênis bom pra isso. Coluna agradece.
93.   Lembrar de fazer alongamento todos os dias antes de sair pra trabalhar.
94.   Ler mais livros de autoajuda. (eu gosto)
95.   Ler/ouvir mais noticiários.
96.   Fazer um piquenique!
97.   Parar de comer podreiras na hora do recreio!
98.   Não me acomodar, em qualquer área da minha vida.
99.   Renovar a minha fé.
100.Socializar mais com amigas(os) de trabalho.
101.  Atualizar a lista a cada conquista. ;-)

Bem-vindo, 2012

Ok, preciso dizer para vocês que meu ano de 2011 foi uma MERDA. Decidi começar meu texto com essa frase impactante, simplesmente porque não tinha outra forma de expressar ou definir em apenas uma frase o decorrer de um ano INTEIRO.

Comparando com problemas que atingem a humanidade, sou mero grão de areia. Mas, vocês precisam saber que, sim, as pessoas adoecem emocionalmente. Passei o ano de 2011 com a cabeça completamente fudida. Através de outros olhos ganhei vários adjetivos, todos ofensivos ou depreciativos, afinal, não fui capaz de realizar uma tarefa completa. Larguei pós-graduação, projetos, minha casa ficou às moscas e não conseguia mais trabalhar. Os remédios me ajudaram a não chorar 24h por dia, mas falhei em todas as tentativas em fazer algo por mim.

A gente não precisa de crítica negativa para ter consciência que precisar andar para frente, entende? Isso é chutar cachorro morto. Tive dias felizes, sim, mas quando não conseguia pensar em absolutamente nada sobre a minha existência. Aqueles dias que a gente conversa com alguma amiga(o) que adora sorrir. Eu também gosto! Se você se preocupa comigo, querida(o), me faça sorrir! Não fale nada que não me faça abrir um sorriso, a não ser que eu te pergunte. Aliás, isso deveria estar no estatuto dos direitos humanos.

Certa vez fui atropelada. Fiquei alguns segundos inconsciente, sem saber o que havia acontecido, no entanto percebi que estava caída no meio da rua e não conseguia levantar. Não conseguia gritar por socorro e nem me movimentar, mas tinha consciência que um outro carro poderia me atropelar de novo se não conseguisse sair dali. Alguém me ajudou, me levou para calçada… eu estava consciente, mas não sabia direito o que estava acontecendo. Dei o número da casa dos meus pais para alguém me buscar e levar ao médico, porque tudo doía. Pensaí.

Com a chegada de um novo ano, renovo meu coração de esperanças. Que eu pare de me sentir culpada por tristezas que não me pertencem. Que eu me cobre menos lealdade. Que eu não tenha necessidade de tantas verdades. Que eu mantenha serenidade com o que não entendo ou não se explica. Que eu tenha sabedoria com o que não me acrescenta. Que eu tenha paciência com a ignorância. Que eu aprenda a ver com o olhos, e menos com o coração. Que eu seja menos emotiva, sem perder a sensibilidade. E principalmente: que eu aprenda que conviver comigo mesma é super fácil. A gente nasce dinamite, e quem nos ama sabe nos manter em temperatura adequada. (li isso hoje em algum lugar)

No fundo acho que reclamo de barriga cheia, porque tenho todos os motivos para ser feliz todo dia. Não quero ser mal agradecida e nem parecer infeliz. Na verdade, em 2011 não tive motivos para ser infeliz. A angústia veio da sensação de ser sempre a pessoa errada, no lugar errado, quem sabe, no planeta errado. Acontece.